A Faculdade


img_mosteiro

A realidade da FACULDADE SÃO BENTO DA BAHIA é fruto da dinâmica histórica do Mosteiro e da Cidade de São Salvador da Bahia, sempre renovada, no tempo oportuno, pelo fluxo e re-fluxo da Graça Divina.

Na Festa da Páscoa, em abril de 1582, oriundos do mosteiro português de São Martinho de Tibães, casa geral lusitana, chegaram os nove primeiros monges beneditinos à Cidade do Salvador, para fundar o primeiro Mosteiro de São Bento em terras brasileiras e o primeiro de todo o novo mundo. Já em 13 de outubro de 1584, o Mosteiro foi elevado à condição de Abadia, tendo a comunidade vinte membros. No ano de 1596, aos 22 dias do mês de agosto, criou-se a Província Brasileira da Congregação Lusitana da Ordem de São Bento. Havia, já, o Arquicenóbio da Bahia, casa mãe da Congregação Brasileira, e os cenóbios de Olinda e Rio de Janeiro foram elevados à condição de abadia.

Em 1596, com a criação da Província Brasileira da Congregação Lusitana, tem início um novo período também para os trabalhos intelectuais dos monges brasileiros, pois, agora, já não se fazia necessário nem obrigatório cruzar o Atlântico para realizar os estudos filosóficos e teológicos em território luso. A tradicional formação religiosa, humanística, científica e artística dos monges podia ser ministrada com a mesma excelência no Brasil, nas escolas claustrais dos mosteiros brasileiros, notadamente no Mosteiro da Bahia, que era a casa geral do Brasil, onde foram instalados os Cursos de Filosofia e Teologia, funcionando até o final da primeira metade do século XIX, conferindo os graus acadêmicos de bacharel, mestre e doutor em Filosofia, Teologia e Direito Canônico.

No ano de 1827, a Província Brasileira foi declarada independente da Congregação Lusitana e passou a ser a Congregação Brasileira da Ordem de São Bento. Em 19 de maio de 1855, seguindo o que fora feito em Portugal por Pombal, um decreto imperial extinguia todos os noviciados brasileiros, provocando, assim, uma crise quase insuperável que prejudicaria fatalmente as escolas claustrais dos mosteiros, como de fato prejudicou, até o seu total fechamento nos anos seguintes, por falta de religiosos.

Esta situação perpetuou-se até a Proclamação da República, em 15 de novembro de 1889, quando os atos e decretos imperiais perderam sua força. Seis anos mais tarde, em 1895, chegam ao Brasil, vindos da Arquiabadia de Beuron, de Maria Laach, de Maredsous, de Seckau, dentre outras, os primeiros monges restauradores para repovoar os mosteiros brasileiros e renovar a vida monástica beneditina no Brasil. Na Bahia, realimentaram a chama do Louvor Divino a partir de 1899. Daí em diante, passados os primeiros obstáculos, a escola claustral é reaberta e os irmãos retomam os estudos filosófico-teológicos até o ano de 1940, quando os monges estudantes baianos são enviados para a Escola Teológica da Congregação Beneditina do Brasil, no Rio de Janeiro, fundada em 1921.

Nos últimos anos, desde 1997, a possibilidade de retomar os estudos de Filosofia e de Teologia na Arquiabadia da Bahia foi pensada com prudência por Dom Arquiabade Emanuel d’Able do Amaral e pela Comunidade dos monges da Bahia, incentivados pelo então Abade Presidente Dom Joaquim Zamith. Em maio de 1999, o Capítulo Geral determinou que o nome da Escola Teológica da Congregação fosse mudado para Escola Teológica do Mosteiro do Rio de Janeiro, sinal claro do ideal de que cada mosteiro voltasse a possuir sua própria escola ou instituto teológico. Assim, em 23 de março de 2001, em reunião ordinária, os monges capitulares da Arquiabadia da Bahia aprovaram, por unanimidade, a reabertura de sua escola teológica, criando o Instituto Teológico São Bento (ITESB).

Suas atividades tiveram início em fevereiro de 2002. Logo ficou caracterizada a excelência da formação desenvolvida no Instituto, o que proporcionou o intercâmbio com diversas Instituições de Ensino Superior, no Brasil e no exterior. O trabalho acadêmico desenvolvido no ITESB, unindo pesquisa e extensão, resultou na criação da Revista Análise & Síntese e na publicação de livros especializados em Teologia. Contando com um corpo docente qualificado e uma excelente biblioteca, associados à qualidade das instalações físicas, o ITESB tem desenvolvido suas atividades educativas, colaborando na formação de seminaristas, religiosos e leigos que se preparam para o ministério sacerdotal ou para o exercício de atividades pastorais. Deste modo, o Instituto Teológico São Bento constituiu a matriz originária da Faculdade São Bento da Bahia.

Em julho de 2002, em reunião ordinária do Capítulo, a Comunidade Monástica da Bahia aprovou o encaminhamento do projeto de criação e credenciamento da FACULDADE SÃO BENTO DA BAHIA e autorização de funcionamento dos Cursos de Licenciatura em Filosofia (6 semestres – 3 anos) e Bacharelado em Teologia (8 semestres – 4 anos), a ser apresentado e submetido à avaliação do Conselho Nacional de Educação e do Ministério da Educação, em consonância com a legislação vigente para a regulamentação do Ensino Superior, Lei 9.394 de 20 de dezembro de 1996, e as resoluções do Conselho Nacional de Educação.

Em 03 de janeiro de 2003, o projeto foi protocolado junto ao Ministério da Educação. Em maio de 2004, a Comissão Técnica de Avaliação do MEC, em seu relatório oficial, constatou a excelência da estrutura física e acadêmica da Faculdade São Bento, o que possibilitou o total e pleno atendimento das exigências estabelecidas pelo Ministério da Educação para o Ensino Superior. Tais condições garantiram a máxima avaliação atribuída aos seus Cursos. Em 24 de agosto de 2004, foram assinadas pelo Sr. Ministro de Estado da Educação, Tarso Genro, as Portarias 2.583, credenciando a Faculdade São Bento da Bahia; 2.584, autorizando o Curso de Licenciatura em Filosofia; e 2.585, autorizando o Curso de Bacharelado em Teologia. As respectivas Portarias foram publicadas no Diário Oficial da União de 26 de agosto de 2004.

No dia 13 de fevereiro de 2005, primeiro domingo da Quaresma, foi celebrada a Missa Solene de instalação canônica da Faculdade São Bento da Bahia, presidida pelo Grão-Chanceler da Faculdade e Presidente da Mantenedora, o Arquiabade do Mosteiro de São Bento da Bahia Dom Emanuel d’Able do Amaral. Na segunda-feira, dia 14 de fevereiro, no Auditório do Mosteiro, realizou-se a Aula Magna Inaugural da Faculdade e abertura do ano acadêmico, marcando o início das atividades da Instituição.

Em 2 abril de 2005, foram iniciados os trabalhos da Pós-Graduação (Resolução nº 1, 03 de abril de 2001/ DOU. nº 69, 09 de abril de 2001, Seção 1, p. 12-13) com a abertura dos Cursos de Especialização em Metodologia e Didática do Ensino Superior e Psicopedagogia Clínica e Institucional. No dia 9 de julho d e 2005, deu-se início às aulas do Curso de Especialização e Filosofia Contemporânea.

Em conformidade com o programa de implantação do Plano de Desenvolvimento Institucional da Faculdade São Bento, aprovado pelo MEC, foi apresentado ao Ministério pela Direção da Faculdade, com a aprovação da Mantenedora, o pedido de autorização para a abertura dos novos Cursos de Graduação: Licenciatura em Letras Vernáculas com Espanhol (6 semestres – 3 anos); Licenciatura em História (6 semestres – 3 anos) e Bacharelado Pleno em Psicologia (10 semestres – 5 anos). Os projetos foram protocolados junto ao Ministério da Educação em dezembro de 2005. Após excelente avaliação por parte dos membros da Comissão do MEC, foram autorizados os cursos de Licenciatura em História e em Letras, através das portarias publicadas em 13 de novembro de 2006 (Licenciatura em História, autorização, port. nº 904/ DOU 13.11.06 e Licenciatura em Letras Vernáculas/Espanhol, autorização, port. nº 903/DOU 13.11.06).

O ano de 2006 também marca a abertura do novo Curso de Pós-Graduação da Faculdade São Bento da Bahia, o primeiro do gênero em todo o Norte/Nordeste do Brasil: Especialização em Bioética Geral e Biodireito.

No ano seguinte, a pós-graduação continuou a crescer, oferecendo também o curso de Especialização em História Social e Econômica do Brasil.

No final do ano de 2007, a Faculdade São Bento forma sua primeira turma de Licenciados em Filosofia.

O ano de 2008 mostra-se bastante promissor para a Faculdade, que abrirá suas primeiras turmas de Licenciatura em Letras e em História, além dos já consagrados cursos de Licenciatura em Filosofia e Bacharelado em Teologia. Oferece, também, três novos cursos de pós-graduação na área das Humanidades, na qual já se tornou referência na cidade de Salvador, a saber: Especialização em Arte e Patrimônio Cultural, Especialização em Psicologia e Ação Social e Especialização em Língua Portuguesa e Literatura, perfazendo agora um total de 8 cursos oferecidos em nível de pós-graduação e 4 cursos oferecidos em nível de graduação.